Construindo um negócio sustentável: 5 dicas para o sucesso ESG

02 jan 2023
  • TI
  • Operações
  • Finanças

Com o passar do tempo na crise climática, as organizações arregaçam as mangas para colocar a sustentabilidade em prática. “As empresas que não se engajarem em ESG podem não estar mais no mercado dentro de 5 a 10 anos”. Dito isso: como você embarca em uma jornada ESG?

Dica 1: Torne ESG parte integrante de sua estratégia corporativa

Sua empresa provavelmente já está envolvida em várias iniciativas ambientais e sociais. Hoje em dia, quem não é? Ainda assim, agora que o ESG está se tornando cada vez mais popular e os regulamentos cada vez mais rígidos, isso não é mais suficiente. O ESG deve entrar na sala do conselho e conduzir os investimentos corporativos.

Desta forma, traçar o planejamento estratégico e objetivos a longo prazo alinhados às verificações de sustentabilidade e viabilidade de cada investimento e decisão é uma forma de garantir que o esforços estejam alinhados a cultura ESG. 

Dica 2: não se apresse. Entenda seu impacto primeiro

Uma estratégia ESG robusta exige que você entenda o impacto que seu negócio tem na sociedade e no meio ambiente. Só então você pode começar a decidir quais tópicos requerem ação (primeiro). Um bom ponto de partida é a avaliação de materialidade, onde o envolvimento com os stakeholders é fundamental, faça uma investigação de quais são os tópicos mais importantes para eles, consolide os resultados e escolha suas batalhas. 

Até 2025, 50% dos CIOs terão métricas de desempenho ligadas ao sustentabilidade da organização de TI.
Gartner

Dica 3: escolha suas batalhas com sabedoria e estabeleça metas

Portanto, não importa o tamanho da sua empresa, comece entendendo quais são os temas mais importantes para o seu negócio e priorize-os. Para empresas de manufatura, por exemplo, o meio ambiente é uma prioridade lógica, já a redução da pegada ambiental nas operações — resíduos, energia e água, no entanto, está no topo da lista de prioridades de muitas outras empresas. Estruturas como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU e o sistema de auditoria externa ajudam a estruturar as ações e fazem lembrar que a governança social e corporativa são igualmente importantes para a sustentabilidade. 

Dica 4: Organize-se e siga o que fala

Colocar a sustentabilidade no centro do seu negócio exige uma tomada de decisão sólida, capacidade de amarrar as pontas, responsabilidade e foco para monitorar o progresso. Em outras palavras: sua organização deve investir na governança da sustentabilidade.

Certifique-se de compartilhar os planos, ideias e sucessos com todas na empresa, antes de compartilhá-las com o mundo exterior, incetive os funcionários, colaboradores e parceiros na tomada de iniciativas, assim você engaja a equipe e coloca todos a bordo!

Dica 5: A verdade está na medição

Ao ler tudo o que foi dito acima, a palavra 'greenwashing' passou pela sua cabeça? Esperamos que não, mas se aconteceu: não podemos culpá-lo, pois muitas organizações usaram esse truque no passado. 

É importante não deixar de definir e acompanhar os KPIs meticulosamente, além de traçar metas claras. Ainda assim, pode ser um desafio, pois as exigências, padrões e as qualificações podem dificultar a comparação de resultados. 

Aliado ao uso de dados e tecnologias é possível aumentar o desempenho da sustentabilidade e cumprir as obrigatoriedades dos relatórios, uma vez que essas tecnologias podem auxiliar na coleta, processamento e análise de um grande volume de dados e oferecer previsibilidade. 

Lembre-se deste check list:

  1. Incorpore a sustentabilidade em sua estratégia corporativa;
  2. Primeiro entenda como sua empresa impacta o meio ambiente e a sociedade, depois elabore seu plano de ação;
  3. Escolha suas ações com sabedoria, mas não se esqueça de que ESG é mais do que “tornar-se verde”;
  4. Faça o que diz e envolva todos os funcionários em sua jornada de sustentabilidade;
  5. Evite o greenwashing, garanta a transparência: meça, acompanhe e relate.

Seja sustentável com a delaware Brasil

É cada vez mais imprescindível que as empresas tenham consciência de que são parte integrante do mundo.